Estudantes vestindo trajes típicos da etnia Naga participam de comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids, em Gauhati, na Índia

A Aids atinge fortemente o mundo do trabalho nos países pobres, os mais afetados pela epidemia, e também prejudica o crescimento econômico, particularmente na África, segundo um relatório que será divulgado nesta sexta-feira pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Em 2005, “mais de três milhões de pessoas economicamente ativas no mundo estavam totalmente ou parcialmente inaptas para o trabalho por causa da Aids, três quartos delas na África subsaariana”, destaca o estudo realizado por ocasião do Dia Mundial da Aids (1º de Dezembro).

A epidemia influenciou negativamente o crescimento econômico dos dez últimos anos, ressalta a OIT, estimando que 43 países perderam em média 0,5% de crescimento cada ano entre 1995 e 2004. “Esta perda chega a 0,7% nos 31 países da África Subsaariana”, frisa a organização.

O golpe na economia repercute no mercado de trabalho, segundo a OIT, que avalia em 1,3 milhão o número de empregos perdidos a cada ano no mundo, dos quais 1,1 milhão estão só na África.

France Presse